Dicas Práticas

Mais uma dica de site seguro!

 

Quer trocar o lustre? É fácil, porém, lembre-se de desligar a chave geral de energia. Com isso, descasque os fios do novo lustre com um alicate, junte as pontas com os fios do teto, enrole-os para que fiquem bem presos e encape-os com pelo menos quatro voltas de fita isolante. Parafuse a base e encaixe o lustre.
Foto: Quer trocar o lustre? É fácil, porém, lembre-se de desligar a chave geral de energia. Com isso, descasque os fios do novo lustre com um alicate, junte as pontas com os fios do teto, enrole-os para que fiquem bem presos e encape-os com pelo menos quatro voltas de fita isolante. Parafuse a base e encaixe o lustre.

 

Esse foi tirado do Facebook da Telha Norte!

 

Mãos à obra!

FacebookTwitterGoogle+LinkedInGoogle GmailTumblrPinboardKindle ItEvernoteCompartilhar

Dicas de Faça Você Mesmo

Quantas coisas podemos fazer nós mesmos gastando pouco!

O ideal, porém, é sempre tirar dúvidas e pegar orientações com quem sabe. Às vezes o balconista da loja do material que vai usar, um profissional da área que esteja disposto dar dicas e a internet.

Sempre tentando buscar os sites mais conhecidos e chegando em uma ou duas postagens.

Para quem quer saber fazer coisas ligadas ao conceito de Bricolagem, existe um site muito legal, com folhetos digitais que podem ajudar:

http://www.leroymerlin.com.br/faca-voce-mesmo/

E para fazer suas extensões, uma luminária pendente, um abajur, conte com os kits da Faça Fácil Paco.

280 285 286

K104K521100

507

Mãos à obra!

 

A Importância do Ponto de Venda

A Magia do Merchandising

Ter produtos bons e diversificados é extremamente importante. Mas para atender adequadamente o Varejo, uma empresa precisa lembrar de variar, também, as apresentações dos seus produtos.

Cada tipo de negócio nos exige um tipo diferente de apresentação.

O balcão, onde há a figura do vendedor com atendimento técnico e especializado, exige um pouco menos de embalagem e material de divulgação. O diferencial ai é uma boa comunicação com o balconista e, até mesmo, o seu treinamento específico. Abre um canal de comunicação incrível, permite ao balconista-vendedor ter acesso a informações que facilitem o seu trabalho e, consequentemente, fideliza esses profissionais aos seus produtos.

Quando se fala em auto serviço, é crucial existir um tipo de embalagem que permita que o cliente olhe, identifique e compre sem muita ajuda de um vendedor. Para isso, as empresas precisam estar atentas às técnicas de Merchandising existentes.

Ter expositores é o primeiro passo, além de embalagens individuais bem identificadas.

Daí por diante, é abrir a imaginação para expositores de balcão, displays, clip strips, wobblers e todo tipo de sinalização diferenciada para dar valor aos produtos no PDV.

Os Checkouts (o lugar onde ficam os caixas) também são fundamentais. É ali onde ocorre a compra de impulso. Aquela pilha que o cliente nem pensava em comprar, as fitas adesivas, canetas, chaveiros e todo tipo de material avulso que o cliente possa ver e levar na hora. Uma boa solução para os Checkouts são os potes com produtos variados.

Vale a pena ver a experiência dos concorrentes, ver a prática do mercado de alimentação, passear em grandes lojas para ter ideias e inovar na sua loja.

Se você é lojista, fale com os seus fornecedores que com certeza terão materiais prontos ou poderão desenvolver coisas novas para a sua loja.

Se você é fabricante, pense nisso se ainda não pensou!

A questão é preocupar-se com a experiência do cliente na loja, mais do que atender à sua necessidade!

Boas experiências!

Kátia Marcolino

A Importância da Segurança no Trabalho

Uma empresa é feita de parcerias. Não se pode pensar só num assunto. E para pensar em muitos, temos que contar com a colaboração de especialistas.

Para falar de Segurança no Trabalho, nada melhor do que pedir a ajuda dos nossos parceiros.

Obrigada ao pessoal da L.S. Assessoria e Segurança do Trabalho, em especial ao Danilo Neves:

 

“A IMPORTÂNCIA DA SEGURANÇA DO TRABALHO

AMBIENTE

A Segurança do Trabalho possibilita a realização de um trabalho mais organizado. Isso leva não somente a evitar acidentes, mas, leva também ao aumento da produção, pois, tornado o ambiente mais agradável os funcionários produzirão mais e com melhor qualidade.

A Segurança do Trabalho proporciona também melhoria nas relações entre patrões e funcionários. Quando o funcionário percebe melhorias no ambiente de trabalho passará a ter mais carinho a respeito com a direção da empresa. O resultado pode aparecer em produtos de mais qualidade.

EVITAR ACIDENTES DE TRABALHO

É o ponto alto da Segurança do Trabalho. Através das ações de prevenção desenvolvidas na empresa podemos evitar o aparecimento de acidentes de trabalho e às doenças ocupacionais.selo segurança

 

 PARE, PENSE, PRATIQUE SEGURANÇA.

 

Danilo Neves
Técnico de Segurança do Trabalho
L.S Assessoria e Segurança do Trabalho

ls

 

 

PARABÉNS, DECORADORES!

Hoje é o Dia do Decorador!

E para festejar, vamos publicar algumas matérias de sites relacionados ao assunto.

Obrigada a todos os profissionais que nos auxiliam e inspiram!

dia da deocração

 

http://www.portobello.com.br/blog/decoracao/faca-voce-mesmo-ideias-bacanas-para-decorar-a-casa/

Faça você mesmo – Ideias bacanas para decorar a casa

 

Oi gente!

Todo mundo sabe que a internet é um baú repleto de novidades todos os dias. Hoje você vai aprender a dar uma cara nova a alguns móveis e ver que simples objetos podem se transformar em peças de decoração bem interessantes.

Então coloque sua criatividade em prática e levante o astral da sua casa!

Começamos com esses cestos na parede do banheiro. São peças simples e baratas, mas super descoladas e funcionais.

faca

Alguns potes de vidro e alguns objetos dentro deles se transformam em decoração. Você pode fazer isso com bijuterias coloridas, lenços de tecido, frutas e muito mais!

faca2

Faça você mesma círculos coloridos com spray ou tinta de parede e, sobre eles, coloque ganchos. Uma ideia que pode ser colorida ou preto e branco, que fica lindo!

faca3

E para quem ama reciclagem: caixotes que viram estantes. Basta você lixar e pintar da cor que quiser.

faca4

Ah, gente! Vejam isso, que lindo! Já falamos aqui sobre as mil e uma utilidades do pallet.

Estante para livros feita de pallets.

faca5

E, que tal aquele “velho” armário se transformar em vaso? Muito bom!

faca6

Se você é como a gente, e temos a certeza que sim, adora ver fotos lindas das invenções criativas, né? Sabe por quê? Porque adoramos colocar tudo quanto é tipo de decoração para vocês verem.

Algumas pessoas são mais capazes em trabalhos manuais e outras menos, mas sempre fica um gostinho de quero mais, mesmo que seja só para ver e não fazer? Vamos lá?

Sua filha, ou até mesmo você vai querer um desses. Um móvel com gavetas pintadas em uma cor contrastante. 

faca7

Essa aqui é bem fácil. É feita com aquelas fitas adesivas japonesas.

faca8

Aqui uma pintura na parede e o restante bem clean.

É… essa é para quem já tem um pouquinho de prática, mas é linda.

faca9

Um espelho, corda grossa, cola branca, paciência – o resultado? – um espelho emoldurado novinho em folha.

faca11

Pode ser uma ideia decorativa maluca para alguns, mas se você soltar a imaginação…..qualquer objeto pode se transformar em um porta – bijuterias.

faca12

Dois vasos grandes ganharam a companhia de um outro pequeno, mas como ele ficaria desproporcional, ganhou o apoio de um banquinho. O mais legal é que todo o jogo de texturas ficou simplesmente perfeito.

faca13

Para quem tem duas crianças ou adolescentes dividindo o mesmo quarto, uma ótima saída é a cortina para dar privacidade. 

faca14

Um artifício bem fácil é pintar os puxadores de cores diferentes – você faz isso com tinta spray.

faca15

Se você tem uma parede no meio do nada, ou da sala, por exemplo, você pode usar uma cor bacana e prateleiras. Para completar a decoração, objetos diferenciados ficam perfeitos.

faca16

 

E aí, o que acharam? Deu pra se inspirar com certeza. Ideias muito legais :)

Um abraço e até mais.

 

Por que não pensar em Fazer Fácil a gestão?

Não adianta só pensar em fazer um bom produto. Sendo artesão ou fabricante de grande escala, produtividade é um assunto crucial para o crescimento da lucratividade.

E por que não abordar aqui esse assunto?

Pois bem, recebemos esse artigo de um colaborador e decidimos compartilhá-lo com quem quer pensar em tornar sua produção mais enxuta.

A fonte é o site da Citisystems.

Vale a pena ler!

 

7 desperdícios na produção

Post 8 of 54

O maior foco das indústrias que aplicam a ferramenta do Lean Manufacturing é combater os 7 desperdícios que podem ocorrer na produção de um produto. Existem várias formas de desperdícios e um exemplo é quando se produz mais do que o necessário, ou mesmo, mais rápido ou antes do que é preciso. Ele também pode ocorrer quando o produto não é enviado ao consumidor, desencadeando uma série de eventos que geram custos financeiros e operacionais.

Existem dois tipos de desperdícios: os que são visíveis e os que são ocultos. Com relação aos ocultos, é muito importante que eles sejam descobertos e eliminados antes que possam se tornar grandes demais, incorrendo em uma fonte maior de problemas para a empresa. Uma analogia interessante para exemplificar os problemas visíveis e ocultos é quando imaginamos um iceberg. A ponta do iceberg, que fica visível às pessoas representa os desperdícios visíveis: defeitos, retrabalhos, excesso, refugos ou atividades de inspeções. Já o restante do iceberg, que é muito maior do que seu topo, é composto pelos desperdícios ocultos. Alguns exemplos destes desperdícios são: custos de urgência nas entregas, procedimentos desnecessários, falhas de equipamentos, tempo perdido em função de acidentes, excesso de inventário, etc. Veja abaixo uma Figura que exemplifica os vários desperdícios visíveis e ocultos encontrados em uma linha de produção na indústria.

desperdicios-visiveis-ocultos-industria

Figura 1 – Desperdícios visíveis e ocultos que podem ser encontrados na indústria

Os desperdícios podem assumir deferentes formas, podendo ser encontrados no processamento de um produto ou em entradas e saídas desnecessárias. Podem ainda ser observados na forma de material, estoque, equipamento, infraestrutura, utilidades, documentos, movimentos e outras atividades que não agregam valor.

Quais são os 7 desperdícios da produção?

Os sete desperdícios da produção foram identificados e categorizados por Taiichi Ohno,  um engenheiro de produção que iniciou sua carreira no setor automotivo em 1943 e é considerado o pai do TPS. Segundo ele os desperdícios podem ser categorizados da seguinte forma:

  1. Defeitos;
  2. Excesso de produção ou Superprodução;
  3. Espera;
  4. Transporte;
  5. Movimentação;
  6. Processamento inapropriado;
  7. Estoque.

sete-desperdicio-producao

Figura 2 – Os sete desperdícios da produção segundo Taiichi Ohno.

1 – Defeitos

O que é:

  • Processamento na produção de produtos defeituosos;
  • Processamento devido ao retrabalho de produtos defeituosos;
  • Materiais utilizados na ocorrência de produtos defeituosos e retrabalhos;

Causas:

  • Falta de objetividade na especificação do cliente com relação ao produto;
  • Processos incapazes;
  • Falta de controle de processo;
  • Incapacitação de pessoas ou pessoas não qualificadas;
  • Setorização ou departamentalização ao invés de qualidade total;
  • Fornecedores desqualificados.

Qualidade é fazer a coisa certa logo na primeira vez. Trata-se de prevenção e planejamento, não de correção e inspeção. A má qualidade ou defeitos não só resultam na insatisfação do cliente e danos à imagem da empresa, como também em desperdícios devido aos custos e tempo envolvidos em repor um produto defeituoso. Sendo assim, a melhoria contínua e medidas de prevenção são os meios mais eficazes para reduzir os desperdícios causados por defeitos.

2 – Excesso de Produção ou Superprodução

O que é:

  • Produzir mais do que o necessário;
  • Produzir mais rápido do que o necessário;

Causas:

  • Incentivos e metas por volume (vendas, compras, pagamento, PLR);
  • Aumento da capacidade do equipamento;
  • Desequilíbrio na linha de produção: Agendamento deficiente/mudanças;
  • Planejamento de produção deficiente;
  • Práticas contábeis de custos que incentivam o aumento de estoques

A superprodução ocorre quando mais há maior produção do que a empresa pode vender, resultado em um aumento no estoque de produtos acabados. A superprodução esconde desperdícios, uma vez que muitos pensam que o estoque é considerado um ativo de valor para a empresa, quando na verdade a maioria deles podem se tornar obsoletos ou implicar em  custos para mantê-los até que possam ser vendidos. Observe que existe ainda o risco deles não serem vendidos. O Just-in-time e as regras de Kanban são uma boa alternativa para evitar o excesso de desperdício referente à superprodução. Um fato importante é que a aplicação de sistemas Lean favorece equipamentos de menor porte, em grande parte, com o intuito de evitar a superprodução.

3 – Estoque

O que é:

  • Estoque excessivo de produto final;
  • Estoque excessivo de matérias-primas e insumos.

Causas:

  • Produção excessiva;
  • Desequilíbrio na linha;
  • Grande tamanho dos lotes;
  • Alto tempo entre o pedido e entrega do produto (lead time);
  • Alta taxa de retrabalho;
  • Falta de requisição de materiais e padrões de compras;

Os desperdícios de estoque podem ser originados na compra e armazenamento de excedentes de insumos, materiais ou outros recursos. Eles também possuem origem no excesso de materiais em processo (WIP ou work-in-process) acumulados. A principal causa é, muitas vezes, devido à falta de planejamento e falta de desconhecimento do departamento de compras com relação ao consumo real ou taxa de utilização de um determinado recurso. Ter excesso de estoque significa um maior custo para a empresa, ocupação de área, manutenção do inventário e do estoque. Reforçando novamente que existe a possibilidade de se armazenar produtos obsoletos como ferramentas e materiais. Para evitar o desperdício é necessário um planejamento de compras eficiente e que após a produção do produto o mesmo seja enviado diretamente ao cliente.

4 – Espera

O que é:

  • Ociosidade humana ou tempo de espera;
  • Ociosidade de equipamentos ou tempo de espera;

Causas:

  • Processos ou linhas desbalanceadas;
  • Força de trabalho inflexível;
  • Superdimensionamento da equipe;
  • Não agendamento de máquinas para produção;
  • Tempo de setup longo;
  • Falta de material ou atraso;

O desperdício referente ao tempo de espera ocorre quando os recursos (pessoas ou equipamentos) são obrigados a esperar desnecessariamente em virtude de atrasos na chegada de materiais ou disponibilidade de outros recursos, incluindo informações. Como exemplo, podemos citar a situação em que um participante atrasa a reunião por perder o horário e chegar atrasado. A espera de ferramentas para começar a trabalhar, de uma assinatura para que um processo continue ou de um veículo atrasado para transportar os trabalhadores para o local de trabalho, são bons exemplos também.

5 – Transporte

O que é:

  • Movimento desnecessário de material;
  • Movimento desnecessário de ferramentas ou equipamentos;

Causas:

  • Planejamento da rota do produto ineficiente;
  • Fornecedores distantes da produção;
  • Fluxo complexo dos materiais;
  • Layout dos equipamentos ou das células ruim;
  • Local de trabalho desorganizado;

Quando qualquer recurso (pessoas, equipamentos, suprimentos, ferramentas, documentos ou materiais) é movido ou transportado de um local para outro sem necessidade, está sendo criado o desperdício de transporte. Como exemplos, podemos citar: o transporte de peças erradas, o envio de materiais para o local errado ou na hora errada ou o envio de documentos para lugares que não deveriam ser enviados. Uma maneira de reduzir o desperdício de transporte é criando um layout eficiente, onde os clientes são atendidos por fornecedores próximos. Células que trabalham entre si ou servindo umas às outras, também devem ser alocadas em proximidade para reduzir o desperdício de transporte. Materiais e ferramentas de algumas células de trabalho também podem ser movidos, realocados, ou posicionados ao lado ou perto de usuários de outras células de trabalhos ou seus clientes internos.

Lembre-se de que transportar recursos no ambiente fabril é uma necessidade, mas se não houver planejamento e estudos de forma a minimizar este tempo, torna-se uma atividade que não agrega valor ao produto. Por isso é necessário acompanhar de perto se em algum local há lacunas ou falhas que possam ser ajustadas.

6 – Movimentação nas operações

O que é:

  • Movimentos desnecessários dos trabalhadores.

Causas:

  • Layout ruim e ambiente de trabalho desorganizado;
  • Estoque ou células de trabalho desorganizados;
  • Instruções de trabalho não padronizadas ou não compreendidas;
  • Fluxo de materiais no processo não muito claro.

O desperdício no movimento acontece quando ocorrem movimentos desnecessário do corpo ao executar uma tarefa. Alguns exemplos: procurar, andar, flexionar, elevar, abaixar e outros movimentos corporais desnecessários. Os trabalhadores cometem este tipo de desperdício quando procuram por ferramentas ou documentos ou quando seu local de trabalho está cheio ou desorganizado. Muitas vezes, o desperdício de movimento atrasa o início dos trabalhos e interrompe o fluxo das atividades.

Para reduzir a movimentação dos operadores, primeiramente é necessário analisar se elas são necessárias ou não. As desnecessárias devem ser imediatamente trabalhadas. Já para movimentações necessárias, é importante verificar se é possível torná-las mais práticas para o operador. Isto pode ser feito reorganizando o local de trabalho ou mesmo redesenhando o layout da linha de produção.

7 – Processamento

O que é:

  • Processo que não agrega valor realizado pelo homem;
  • Processo que não agrega valor realizado pela máquina;

Causas:

  • Falta de objetividade nas especificações do cliente;
  • Mudanças frequentes na engenharia do produto;
  • Qualidade excessiva (refinamento);
  • Análise inadequada de valor;
  • Instruções de trabalho mal elaboradas.

Esta categoria de desperdício refere-se aos processamentos que não agregam valor ao item que está sendo produzido ou trabalhado. Exemplos são etapas adicionais que não aumentam a qualidade do produto ou etapas que simplesmente adicionam excesso de qualidade de que os clientes não necessitam. Documentação desnecessária é também uma forma de desperdício de processamento.

Se for realizada uma análise criteriosa, é possível identificar atividades e tarefas dentro do processo que podem ser irrelevantes e que afetam diretamente a produtividade e o custo da operação. Por este motivo é necessário analisar e identificar em cada etapa a existência de gargalos e eliminá-los.

Como eliminar os desperdícios?

Abaixo, alguns passos que podem ser seguidos para uma efetiva eliminação dos desperdícios:

  • Fazer com que o desperdício seja visível, caso ele seja oculto;
  • Estar consciente do desperdício;
  • Assumir a responsabilidade pelo desperdício;
  • Mensurar o desperdício;
  • Eliminar ou reduzir o desperdício.

Em resumo, para que seja possível eliminar os desperdícios, é necessário vê-los e reconhecê-los, identificando quem é o responsável por eles. Finalmente ele deve ser mensurado de forma a estabelecer seu tamanho e magnitude. Os desperdícios que não podemos ver, não podem ser eliminados. Quando um desperdício é negligenciado, também não é possível eliminá-lo e quando alguém se recusa a aceitar a responsabilidade desperdício, então ele não vai trabalhar para eliminá-lo. Finalmente, quando o desperdício não é medido, as pessoas podem pensar que ele é pequeno demais ou trivial e, por este motivo, não estarão motivadas em detê-lo. Como diz o ditado: “O que não é medido, não é melhorado”…

http://www.citisystems.com.br/7-desperdicios-producao/